A primeira Ferrari 812 Superfast chegou ao Brasil essa semana! Será apresentada a um restrito público no evento oficial dos 70 anos da Ferrari, que vai acontecer em São Paulo durante o mesmo final de semana da Fórmula 1 deste ano.

A 812 Superfast, substituta da F12berlinetta, foi apresentada em fevereiro deste ano ao mundo. O número 8 no nome é uma discreta dica a respeito da potência: o motor, um V12 de 6.5 litros, que entrega estrondosos 800 cavalos a 8.500 rpm, com um torque máximo de 73,2 mkgf a 7.000 rpm (sendo que 80% já está disponível a 3.500 rpm). De acordo com a Ferrari, além de mais deslocamento em relação ao motor da F12, foi adotado um coletor de admissão de geometria variável, cujo design é derivado daquele usado nos carros de Fórmula 1 naturalmente aspirados, que foram extintos recentemente.

O motor é acoplado à transmissão de dupla embreagem e sete marchas da Ferrari. Segundo a companhia, o novo câmbio ficou mais rápido tanto nas trocas ascendentes quanto nas reduções de marcha.

Já o nome Superfast não tem inspiração na tradução direta: super rápida. Apesar de realmente ser um carro muito veloz, o nome tem origem em um modelo fabricado no passado pela Ferrari. O que não surpreende, já que a marca de Maranello quase sempre valoriza a sua história ao batizar os seus carros novos.

A Ferrari 500 Superfast! Foi fabricada entre os anos de 1964 e 1966, sendo a última versão da série Superamerica, que começou em 1957 e consistia em grand tourers exclusivos, feito especificamente para o público americano. O motor era um V12 Colombo de 5 litros, alimentado por seis carburadores Weber 40 DCZ/6 de corpo duplo. Entregava 400 cavalos a 6.500 rpm, sendo capaz de chegar aos 280 km/h de velocidade máxima.

Apenas 36 carros foram fabricados em 3 anos, sendo que 24 tinham câmbio manual de quatro marchas com overdrive, enquanto os outro 12 exemplares restantes foram equipados com câmbio manual de cinco marchas. Além do nome, é possível enxergar influência no design na traseira da 812. Ambas têm a face traseira plana, com lanternas circulares e um discreto spoiler.

Ainda falando no design da 812, a Ferrari deixa claro que ainda parte da mesma base que a F12 nas proporções gerais! Tem 4,67 m de comprimento e 1,87 m de largura, enquanto sua antecessora tem 4,61 m e 1,94 m, respectivamente. Seu peso apesar das proporções diferentes, é o mesmo da F12berlinetta: 1.525 kg.

As diferenças não são revolucionárias, mas são notáveis. Além da nova traseira, que como vimos acima tem um certo resquício da 500 Superfast, os faróis têm contornos mais arredondados que incorporam entradas de ar para o capô. A grade dianteira perdeu as barras horizontais e longitudinais cruzadas e ganhou um padrão do tipo colmeia.

Outra mudança é uma grande novidade na Ferrari. Trata-se do primeiro Cavallino a empregar um sistema de direção com assistência elétrica. Até então, a marca não estava satisfeita com o nível de feedback dos sistemas elétricos existentes até então. Outra tecnologia marcante usada no carro é o sistema de esterçamento das rodas traseiras, o Passo Corto Virtuale, já empregado na F12tdf.

A Ferrari 812 Superfast já nasceu histórica. Ao menos é o que aponta o horizonte dos esportivos de Maranello: é muito provável que esta seja a última das Ferrari V12 aspiradas, sem nenhum tipo de assistência — seja por hibridização ou sobrealimentação. Dito isso, os 800 cv do motor V12 de 6,5 litros parecem ter sido calculados sob medida para encerrar o ciclo dos motores naturalmente aspirados puros para o cavalinho rampante, fazendo desse monstro de 800cv o último de sua espécie. Um fim digno e memorável.

NO BRASIL

Essa semana chegou no Brasil a primeira Ferrari 812 Superfast, nove meses após o seu lançamento mundial. Assim como a única LaFerrari que esteve no país, essa 812 estará exposta na área VIP para convidados no autódromo de Interlagos, durante o Grande Prêmio de Fórmula 1 de 2017.

O esportivo não ficará no país após o evento, devendo retornar para a Itália, já que o carro é de propriedade da Ferrari Automobili. Porém, no mais tardar, já no primeiro semestre de 2018 a primeira unidade para venda que irá rodar em terras tupiniquins deve chegar.

As imagens abaixo foram feitas no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, onde ocorreu o desembarque antes de que partisse para a capital paulista.