Após a divulgação de flagras e uma série de teasers, a Mercedes-Benz finalmente oficializou nesta quarta-feira (12) o lançamento de mais um modelo do SUV médio da marca: o GLE. Já na quarta geração na história do SUV (que até pouco tempo atrás se chamava ML), a nova linhagem chega para enfrentar rivais como BMW X5 e Lexus RX com design evolutivo e forte apelo tecnológico no interior. A apresentação para o público acontecerá no mês que vem, durante o Salão de Paris, com vendas previstas para o ano de 2019.

Quanto ao visual, a dianteira manteve-se muito parecida com a do antecessor, como se ali apenas tivesse sido feito um facelift que incluiu os faróis usados nos demais modelos da atual geração da Mercedes. A lateral também viu poucas mudanças, conservando elementos que caracterizam o GLE desde sua primeira geração, o ML W163: a coluna C inclinada para a frente e a coluna D integrada ao vigia, formando uma silhueta única com os vidros laterais traseiros. As lanternas traseiras ficaram mais finas, também como nos modelos mais recentes da marca, como é o caso do Classe A hatch e do CLS/AMG GT 4 Portas.

Porém mesmo que não tão nítidas, houveram sim muitas mudanças. Tanto que elas foram fundamentais para otimizar a aerodinâmica do carro, cujo coeficiente caiu de 0,32 para 0,29 – é o melhor da categoria, segundo a Mercedes. Na cabine, merece destaque a presença das duas tecnológicas telas de 12,3 polegadas que abrigam o quadro de instrumentos e o sistema de entretenimento MBUX. O equipamento é parte do pacote de série do modelo, e substitui o quadro de instrumentos convencional por uma das duas telas, que é integrada ao sistema multimídia para exibir informações de áudio, informações do carro e instruções de navegação. Inclusive, vale destacar que esse sistema multimídia possui inteligência artificial e obedece aos mais variados comandos de voz, como alterar a temperatura do ar condicionado, por exemplo.

Em termos de espaço, a Mercedes diz que a ampliação de 8 centímetros no entre-eixos teve reflexos diretos na oferta de espaço para o passageiros, especialmente para os ocupantes da segunda e terceira fileiras (caso da versões com 7 lugares). O porta-malas também cresceu e agora acomoda 825 litros, alcançando 2.055 litros com os bancos rebatidos (usando o método europeu de medição, que considera o volume até o teto do carro).

Como se espera de um carro da década de 2020, a vida a bordo também ficará bem mais segura, especialmente por conta de todo o aparato tecnológico de assistência à condução. Entre os principais, destaque para assistente de mudança de faixa com frenagem de emergência para casos de risco de colisão em ultrapassagens, bem como assistente de congestionamento ativo, capaz de detectar engarrafamentos, controlar o ritmo de deslocamento abaixo dos 60 km/h e até mesmo ajudar a abrir caminho para a passagem de ambulâncias ou viaturas, e os já relativamente comuns: sistema de detecção de colisão frontal, monitor de pontos cegos, direção ativa para evitar mudança involuntária de faixa e cruise control adaptativo com frenagem automática.

Na dinâmica, a Mercedes equipou o GLE 2019 com o sistema de suspensão pneumática E-Active Body Control, que varia a carga de acordo com a demanda por controle e regula a suspensão de cada roda de forma independente e otimiza a performance do conjunto.

Sob o capô, o GLE terá inicialmente apenas uma opção de motorização oferecida: o novo motor seis-em-linha da Mercedes, um 3.0 de 372 cv e 49,9 kgfm, equipado com um turbo elétrico que é alimentado por um sistema de 48 volts. Além de impulsionar o turbo em baixas rotações o sistema substitui o motor de partida e funciona também como um gerador de eletricidade, além de fornecer 22 cv e 25,4 kgfm de torque por alguns instantes na função EQ Boost. O motor é combinado ao câmbio automático de nove marchas (9G-Tronic) que incorpora uma caixa de transferência com embreagem multidisco controlada eletronicamente para distribuir o torque entre os eixos. 

Posteriormente serão lançadas versões a diesel, uma híbrida plug-in e claro, não poderia faltar, as versões AMG. Provavelmente, seguindo a atual lógica da Mercedes, serão lançadas 3 modelos esportivos! O AMG GLE 50, com o mesmo seis-em-linha dos AMG E 50 e AMG CLS 50, além dos AMG GLE 63 e AMG GLE 63 S, ambos equipados com o 4.0 V8 Biturbo da divisão esportiva.

As vendas nos mercados da Europa e da América do Norte serão iniciadas no ano que vem. O Brasil deve receber o modelo posteriormente.

Fotos: Divulgação